terça-feira, 31 de maio de 2016

Resgate de acidentados na ruas e avenidas

Se você fizer a sua parte...

Faça sua parte, esteja você onde estiver
,
Faça o melhor, não pensando só em você.

          Hoje dia 31 de maio, estava trabalhando no meu jardim comunitário, quando escutei uma mulher gritando, “ai socorro, ai ajuda, ai socorro” olhei para a direção dos gritos e vi a uns 100 metros minha vizinha Tayla Cristina Moff , caída na calçada, joguei o galho que estava na minha mão e corri ao encontro dela, quando cheguei ela estava sentada com o pé torcido virado para traz, desvirei o pé dela coloquei meu PE embaixo da perna dela como apoio em uma posição que doía menos, e sentei do lado dela, as mulheres da creche (salvador Zveibil) e os vizinhos apareceram ligamos para o 192, e esperamos, esperamos, esperamos, esperamos, e cansamos de esperar e ligamos de novo, de novo e de novo, e esperamos, esperamos, cansamos de esperar e ligamos no 190, corpo de bombeiros, o atendente pergunto de qual município ligávamos, estávamos em São Paulo capital, o atendente disse que em 15 minutos chegariam no local, não acreditamos, pois já esperávamos a 01 hora e cinco minutos, mas o que podíamos fazer, nada porque em certas situações somos nada, somos nada, nada, debatemos no local, professores senhoras, transeuntes, eu (Joaniro Amancio Pereira) e achamos que podíamos colocar livros e isolar o pé dela e nós mesmos socorrermos, ligamos para o 192 para um auxilio, e disseram que o que fizemos seria responsabilidade nossa, decidimos esperar, esperar, esperar, e nesse tempo todo a Tayla com dor, tanto que quando eu soltava a perna dela ela reclamava de dor, fui ajudar ela vestir a blusa, so de soltar e mexer no ombro dela o pé doeu.
            Em fim o porque desta publicação?
            Porque achamos o tempo de socorro, muito longo; e fica a duvida, existe uma lei, uma norma um regra algum órgão que regulariza isso, tempo de socorro para uma vitima na rua?
            Porque achamos estranho ligarmos para o 192 e cair em uma central, e esta central transferir a ligação ou encaminhar o pedido para o 192 mais próximo.
            Porque no bairro Perus existe um samu, então é estranho ter um samu estarmos a 14 minutos de carro do samu, e ele levar 1 hora e 5 minutos para não atender.
            Quero deixar os parabéns para a equipe do corpo de bombeiros, (190) todos desde o atendente até os que vieram no resgate, foram rápidos eficientes, profissionais, agora eu Joaniro Amancio, deixo registrado, que um dos atendentes, foi bruno ignorante, mau educado, e registro que ninguém é perfeito, existe pessoas e existe pessoas, ele, falou comigo, tira isso daí, (meu guarda chuva) que estava embaixo da perna da acidentada, ele falou “sai de cima” e depois que eu já não estava em cima, ele falou o pessoal que ligou falou que o osso estava exposto pé quebrado, é só uma luxação, eu respondi baixo, pois não queria brigar nem tumultuar era só um desabafo, respondi “não somos médicos”, e deixo registrado que apesar disso, o profissionalismo dos bombeiros, até mesmo deste bombeiro mau (mal) educado foi excelente, parabéns para a equipe dos bombeiros que prestaram o socorro hoje, na rua Dr José Pacheco e Silva, Perus – Vila Inacio – São Paulo SP.
            Quanto ao Samu, vamos levantar o que aconteceu, o porque da demora e do não atendimento. E já estou trabalhando em cima do levantamento das perguntas aqui e das duvidas levantadas e na criação de um projeto algo que viabilize e agilize o atendimento a pessoas feridas nas vias publicas nas ruas.

 Não cobre das pessoas o que as pessoas não podem dar, Cada um da o que têm.